sábado, 26 de maio de 2018

RICCIARDO NA POLE SEGUIDO DE VETTEL E HAMILTON: GP DE MÔNACO


DIA DA BONDADE EM LONDRINA


REAL MADRID CONQUISTA LIGA DOS CAMPEÕES DA EUROPA 2018

francês Karim Benzema inaugurou o marcador aos 51 minutos, mas quatro minutos depois o senegalês Sadio Mané empatou, antes de o galês Gareth Bale bisar, aos 64 e 83.

Com este triunfo, o Real Madrid, que venceu quatro das últimas cinco edições, passou a somar a 13 títulos de campeão europeu, enquanto o Liverpool se mantém com cinco troféus.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

SHOW COMEMORA 100 ANOS DE DINO 7 CORDAS

O show Gingando: Centenário Dino 7 Cordas é neste sábado (26/05) e no domingo (27/05) no Sesc Santana


Olha o time: Yamandu Costa, Alessandro Dos Santos Penezzi, Marcello Goncalves, Rogério Caetano de Almeida, Toninho Ferragutti, Amelia Rabello, Luizinho 7 Cordas, Dininho e Roberta Cunha Valente

Imperdível!!! 

Clique aqui pra adquirir sua entrada. https://www.sescsp.org.br/programacao/153853_GINGANDO+CENTENARIO+

CLUBE DE LEITURA SESC LONDRINA

O Clube de Leitura acontece na quarta-feira, das 19:00 as 20:30, na biblioteca do Sesc Centro (rua Fernando de Noronha, 264).

A participação é gratuita e as inscrições podem ser feitas pelos fones 43 3305-7824 / 43 3305-7800.

ÍCONE DA LITERATURA, PHIPLIP ROTH MORRE AOS 85 ANOS




O escritor Philip Roth, um dos ícones da literatura dos Estados Unidos na segunda metade do século XX, morreu nesta terça-feira (22), aos 85 anos. 

O premiado romancista de mais de 30 livros morreu em um hospital em Nova York de insuficiência cardíaca, informou o seu agente literário, Andrew Wylie. Roth conquistou praticamente todos os prêmios literários relevantes em mais de 60 anos de carreira. Morreu, no entanto, sem o Prêmio Nobel de Literatura, para o qual foi considerado favorito em diversas ocasiões. 


Nascido em 1933 na cidade de Newark, Nova Jersey, em uma família judaica, Roth teve sua obra associada a esta comunidade. Muitos de seus romances refletem as questões de identidade dos judeus dos EUA, o que o vincula a outros autores como Saul Bellow, laureado com o Nobel de Literatura de 1976, e Bernard Malamud. 

Roth era ateu e se considerava antirreligioso. Seus relatos provocadores sobre a moral pequeno burguesa judaico-americana, sátiras políticas, reflexões sobre o peso da história, ou mais recentemente sobre o envelhecimento, ficam com frequência na fronteira entre a autobiografia e a ficção. 


Ele é conhecido sobretudo por seus romances, embora também tenha escrito contos e ensaios. É dono de um estilo realista, direto e irônico. Parte da sua obra explora a natureza do desejo sexual e a autocompreensão. 

A marca registrada da sua ficção é o monólogo íntimo “O complexo de Portnoy”, livro que lhe rendeu fama mundial. Nele, o jovem protagonista fala ao seu psicanalista, sem qualquer reserva, sobre a sua obsessão pela masturbação e o relacionamento com a mãe possessiva, os Estados Unidos e o judaísmo. 

Pouco antes de morrer, o escritor se dedicava à produção da sua biografia, que está sendo escrita por Blake Bailey. 

Além do "Complexo de Portnoy", entre as suas obras mais conhecidas, estão a coleção de contos “Goodbye, Columbus” (1959) e a trilogia americana, publicada na década de 1990, composta por “Pastoral americana” (1997), “Casei com um comunista” (1998) e “A marca humana”. 


PRINCIPAIS PRÊMIOS:

  • 1960: National Book Award, por "Adeus, Columbus"
  • 1987: National Book Critics Circle Award, por "O avesso da vida"
  • 1991: National Book Critics Circle Award, por "Patrimônio"
  • 1994: PEN Faulkner, por "Operação Shylock"
  • 1995: National Book Award, por "O Teatro de Sabbath"
  • 1998: Prêmio Pulitzer de Ficção por “Pastoral americana”
  • 2001: Prêmio Franz Kafka
  • 2001: PEN Faulkner, por "A marca humana"
  • 2006: PEN/Nabokov
  • 2007: PEN Faulkner, por "Homem comum"
  • 2011: Prêmio Internacional Man Booker
  • 2012: Prêmio Príncipe das Astúrias de Literatura


ESTAÇÃO SAMBA SOBE AOS PALCOS


O Programa Estação Samba está de volta, agora nos palcos! 

Serão realizados no Bar Valentino 3 espetáculos inspirados nos programas de auditório da era de ouro do rádio: 

- As bambas do samba, em 22/07: vamos homenagear as mulheres que fizeram história na cultura do samba; 
- Lugares do samba, em 16/09: vamos lembrar os botequins, os bairros, os morros e os festejos que são as fontes do samba; 

- Raízes do samba, em 11/11: vamos mostrar a matriz afro-originada do samba, sua forma de falar da vida popular e do carnaval. 


Os espetáculos serão gravados e transmitidos pela UelFM e Alma Londrina Rádio Web. 

A criação e apresentação dos espetáculos serão de Juliana Barbosa, pesquisadora, pós-doutora, apaixonada pelo samba. 

 Os arranjos e direção musical serão de André Siqueira, compositor e músico londrinense, nacionalmente reconhecido e professor da UEL.

FUNCART 25 ANOS APRESENTA ALMANAQUE CONTA BOM CRIOULO


terça-feira, 22 de maio de 2018

II EDITAL DE ESPORTES É ABERTO EM LONDRINA

A Prefeitura de Londrina, por meio da Fundação de Esportes de Londrina (FEL), abriu, nesta terça-feira (22), o segundo edital que irá receber os projetos esportivos a serem beneficiados, no exercício de 2018, pelos Programas de Incentivo com recursos do Fundo Especial de Incentivo a Projetos Esportivos (Feipe). Todas as informações estão contidas no Edital de Chamamento Público nº 005/2018, que foi publicado no Jornal Oficial do Município, edição 3.528, e está disponível para acesso no endereço www.londrina.pr.gov.br.


Para atender os projetos que serão selecionados para receber o incentivo do segundo edital do Feipe 2018, o Município investirá um montante total de R$ 1.605.000,00. O Município investirá, em 2018, via Feipe, quase R$6 milhões, valor que representa um aumento de 90% nos recursos em relação a 2017, quando foram aplicados R$3,1 milhões pelo Fundo.

O recurso do segundo edital é destinado ao custeio de cinco programas diferentes: Programa de formação esportiva da juventude (até R$ 360.000,00); Programa de incentivo ao desenvolvimento do esporte adulto (até R$ 750.000,00); Programa de apoio às ligas esportivas londrinenses (até R$ 295.000,00); Programa de esportes para pessoas com deficiências (até R$ 75.000,00); Programa de modalidades alternativas (até R$ R$ 125.000,00).

Modalidades - O edital de seleção contemplará 17 modalidades esportivas e outras 3 modalidades direcionadas exclusivamente para pessoas com deficiência. Além disso, o processo ainda disponibiliza vagas para 5 programas de práticas alternativas e 1 de apoio às ligas esportivas locais. Nesta última categoria, beneficiará a Liga Londrinense de Futebol. Com o objetivo de fortalecer o cenário esportivo de Londrina, o Feipe dará incentivo a modalidades como basquete, futsal, handebol, judô, Karatê, Taekwondo, voleibol, tênis de mesa, xadrez, rugby, natação, entre outros esportes.

Como participar - Os interessados em receber recursos do Feipe deverão protocolar seus projetos até as 17 horas do dia 21 de junho de 2018, em envelope lacrado e identificado, conforme estabelece o edital. Para isso, devem se apresentar na sede da FEL, na sala da Coordenadoria Técnica, na Rua Gomes Carneiro, 315, no Ginásio Moringão – Jardim Higienópolis. Os atendimentos serão feitos de segunda a sexta-feira, das 12 às 18 horas. Outras informações podem ser obtidas diretamente na Fundação, pelo telefone 3372-9191, ou ainda pelo e-mail felconvenios@londrina.pr.gov.br .

Os projetos deverão ser preenchidos em Formulário Padrão específico, fornecido pela FEL, no site www.londrina.pr.gov.br/fel. É obrigatório o preenchimento de todos os campos e itens que o compõem, em conformidade com o conteúdo constante do edital, de acordo com o programa para o qual irá apresentar projeto.

Os envelopes contendo os projetos serão abertos por comissão especialmente designada para este fim, às 14 horas do dia 22 de junho de 2018, na Sala de Reuniões da Fundação de Esportes de Londrina, aberto a todos os proponentes e demais interessados.

Os procedimentos para a seleção e desenvolvimento dos projetos esportivos que serão beneficiados com recursos do FEIPE estão em conformidade com a Lei Municipal nº 8.985\2002; Lei Federal 13.019/2014; Decreto Municipal nº 331\2003; Decreto Municipal 1.210/2017; e Resolução TCE-PR nº. 028\2011; normas regimentais internas da FEL, reguladoras da matéria e demais legislações pertinentes e regras estabelecidas a seguir.

Sobre o Feipe -  O Fundo foi criado no dia 6 de dezembro de 2002, pela Lei Municipal n° 8.985, com o objetivo de incentivar a prática de esportes na cidade de Londrina. Sua finalidade é designar recursos aos diferentes projetos esportivos. As entidades interessadas apresentam propostas, e após analisadas e habilitadas, firmam convênios com a FEL.

Uma vez firmado o convênio, ele é executado pela entidade durante o ano. Os recursos do FEIPE são repassados em parcelas e a cada parcela o convenente presta contas da aplicação de recursos. Uma vez aprovada a prestação de contas, o recurso da parcela seguinte é disponibilizado. Os convenentes ficam responsáveis por representar Londrina em competições estaduais e nacionais, e desenvolver a sua modalidade junto aos londrinenses durante a vigência do convênio.

CONCURSO DE POESIA AGOSTINHO GOMES 2018


Convite_ Lançamento na ALB _Novo Livro do escritor e acadêmico Aramis Ribeiro Costa

https://academiadeletrasdabahia.wordpress.com/2018/05/17/o-corpo-caido-no-chao-e-o-novo-livro-de-aramis-ribeiro-costa-lancamento-acontece-dia-29/

Neste sábado, Prelúdio 21 convida duo de piano e trombone no CCJF

O grupo de compositores Prelúdio 21 recebe em sua série no Centro Cultural da Justiça Federal, no dia 26 de maio, sábado, às 15h, o duo formado pelo trombonista João Luiz Areias e José Wellington. Os intérpretes, além de serem expoentes nos seus instrumentos, têm um notável trabalho dedicado à música contemporânea. Os concertos da série “Prelúdio 21 – Música do Presente” acontecem sempre no último sábado de cada mês. No programa, as obras “Combustão” (Neder Nassaro), “One moment frozen in timere” (Caio Senna), “Humano” (Sergio Roberto de Oliveira), "Sonata para Trombone e Piano" (Marcos Lucas) e “Inserções III” (José Orlando Alves) e "Sonata para Trombone e Piano", de Alexandre Schubert.
 


Prelúdio 21
Sete compositores se reuniram em 1998 com o intuito de divulgar sua música e a música erudita contemporânea em geral, através da organização de recitais e de palestras abertas ao público com compositores brasileiros e estrangeiros para apresentarem seus trabalhos, visando o intercâmbio de experiências. De lá pra cá, o grupo amadureceu e se estabeleceu como um dos mais importantes grupos de música contemporânea do país, virando referência internacional. 

Desde 2008, o Prelúdio 21 realiza sua série de concertos no Teatro do Centro Cultural Justiça Federal, com uma média de público de 70 pessoas por concerto, com um total de mais de 600 espectadores por temporada. A série se estabeleceu como a mais importante da música contemporânea brasileira. Neste ano, a série terá ainda outros oito concertos, sempre no último sábado de cada mês, às 15h, até novembro. Em dezembro, o concerto de encerramento será no segundo sábado do mês, dia 10.


A série se destaca como a única permanente de música contemporânea na cidade do rio de janeiro, e vem sendo considerada uma das mais importantes do Brasil. O grupo já foi objeto de artigo na revista científica “Hodie” (“Grupo Prelúdio 21 – Uma Perspectiva”) que estuda justamente sua série que acontece há 8 anos ininterruptos no Centro Cultural Justiça Federal. Em 2012, o grupo foi indicado ao Grammy Latino com o seu CD “Prelúdio 21 – Quartetos de Cordas”, na categoria “Melhor Álbum de Música Clássica”.

O grupo segue sua trajetória com importantes resultados já apresentados como temporadas com mais de 1000 espectadores e concertos em espaços como o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, a Sala Cecília Meireles e Oi futuro, além da já consagrada série no Centro Cultural Justiça Federal.
 
SERVIÇO:
26/05 – sábado – Prelúdio 21 convida João Luiz Areias (trombone) e o José Wellington (piano)
Horário: 15h
Centro Cultural Justiça Federal – Teatro
Av. Rio Branco, 241 – Centro
Tel. (21) 3261-2550
Entrada Franca – Distribuição de senhas meia-hora antes
Classificação Livre
 
Programa:
“Humana” – Sergio Roberto de Oliveira
“Sonata para Trombone e Piano” – Alexandre Schubert
“Combustão” – Neder Nassaro
“Inserções III” – José Orlando Alves
“Sonata para Trombone e Piano” – Marcos Lucas
One moment frozen in timere” – Caio Senna (trombone solo)

MODELO NARA ALMEIDA MORRE AOS 24 ANOS

Morreu na madrugada desta segunda-feira (21), aos 24 anos, a modelo e influenciadora digital Naiara Almeida, conhecida como Nara Almeida. Ela estava internada no Hospital Nove de Julho, em São Paulo, onde lutava contra um câncer de estômago, descoberto em meados de 2017.

 A luta de Nara ganhou força ao ser compartilhada em suas redes sociais. A atriz Tatá Werneck, que costumava trocar mensagens com Nara pelas redes sociais, também lamentou a morte da modelo junto com internautas e outras personalidades da TV brasileira.

INSCRIÇÕES PARA O PRÊMIO ITAÚ UNICEF 2018 SÃO PRORROGADAS

A 13ª edição do Prêmio Itaú-Unicef pretende apoiar e valorizar projetos que ofereçam diretamente ao público infanto-juvenil ações educativas, culturais e/ou de proteção social alinhadas ao conceito de educação integral, entendido como aquele que:
  • Busca o desenvolvimento das diversas dimensões do ser humano, como as dimensões física, emocional, social, cultural e ética.
  • Articula atores, espaços e saberes para promover o desenvolvimento integral da criança, do adolescente e do jovem, integrando os saberes comunitários (famílias, moradores, lideranças locais, artistas) e os espaços físicos da comunidade (ruas, praças, escolas, associações, centros culturais, instituições públicas ou privadas).
  • Permite o enfrentamento das desigualdades sociais.
  • Conta com arranjos diversificados e intersetoriais: responsabilidades partilhadas e sintonia com os contextos locais.
  • Considera a complexidade do mundo contemporâneo, articula o global e o local e dialoga com os interesses e as necessidades de crianças, adolescentes, jovens e sua cultura.
Nesta edição poderão ser inscritos projetos realizados por organizações da sociedade civil (OSCs) que tenham sido iniciados até 17 de abril 2017, oferecidos de forma gratuita e enquadrados em uma das seguintes categorias:
Categoria 1: OSC em Ação – projeto realizado pela OSC: Nesta categoria deverão ser inscritos os projetos concebidos, planejados e executados pela OSC e que sejam oferecidos diretamente para crianças, adolescentes e jovens.
Categoria 2: Parceria em Ação – projeto realizado obrigatoriamente pela parceria entre OSC e Escola Pública: Nesta categoria deverão ser inscritos os projetos concebidos, planejados e executados pelas duas instituições e que sejam oferecidos diretamente para crianças, adolescentes e jovens.
O período de inscrições terá início em 17 de abril de 2018, às 15 horas, e se estenderá até 04 de junho de 2018, às 23 horas (horários de Brasília).
Neste período, o sistema poderá ser acessado quantas vezes for necessário para o preenchimento e/ou alteração da ficha de inscrição, entretanto, após clicar em “Enviar Projeto” não será possível efetuar alterações.

LINK: https://educacaoeparticipacao.org.br/premio-itau-unicef-ver-edicao/

FUNDADOR DO OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA, JORNALISTA ALBERTO DINES MORRE EM SP

Morreu na manhã desta terça-feira (22) o jornalista Alberto Dines, aos 86 anos, em São Paulo.

Em comunicado em rede social, a equipe do Observatório da Imprensa, portal fundado por ele, informou que ele estava internado no Hospital Albert Einstein.

 
Alberto Dines iniciou sua carreira no jornalismo em 1952 na revista "A Cena Muda" e, no ano seguinte, mudou-se para a revista "Visão" para cobrir assuntos ligados à vida artística, como teatro e cinema. Logo depois, passou a fazer reportagens sobre política. 

Em 1957, ele trabalhou para a revista "Manchete", até se demitir da empresa. Em 1959, assumiu a direção do segundo caderno do jornal "Última Hora", de Samuel Wainer. Já em 1960, colaborou para o jornal "Tribuna da Imprensa". 


Em 1960, convidado por João Calmon, dirigiu o jornal "Diário da Noite", dos "Diários Associados", de Assis Chateaubriand. Já em 1962 tornou-se editor-chefe do "Jornal do Brasil", no qual ficou por 12 anos. No jornal, ele coordenou uma grande reforma gráfica e criou novas seções. 

Segundo Manuel do Nascimento Brito, diretor do "Jornal do Brasil", com "a entrada de Dines, a reformulação do jornal foi afinal consolidada, pois ele sistematizou as modificações que levaram o JB a ocupar outra posição na imprensa brasileira". 

Desde 1963, Dines também era professor na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Ele criou as disciplinas de Jornalismo Comparado e de Teoria da Imprensa. 

Na promulgação do Ato Institucional Nº 5 (AI-5), em 13 de dezembro de 1968, durante a Ditadura Militar, coordenou a edição da primeira página que usou termos da previsão do tempo para narrar o momento político – “Tempo negro. Temperatura sufocante. O ar está irrespirável. O país está sendo varrido por fortes ventos...” – como parte de uma estratégia para denunciar a censura imposta à redação a partir de então.
Outro episódio que marcou sua passagem pelo jornal foi a cobertura do golpe que depôs o presidente chileno Salvador Allende, em 11 de setembro de 1973. A censura havia proibido a publicação de manchetes sobre o assunto, então Dines coordenou a edição de uma primeira página sem títulos, mas com um longo texto contando o que aconteceu no Chile. O jornalista foi demitido do JB naquele ano.
Ele também tem passagem pela "Folha de S.Paulo" e a Editora Abril. 

Em 1994, fundou o Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), junto com os professores Carlos Vogt e José Marques de Melo. O objetivo era criar um centro de pesquisa e acompanhamento crítico da mídia. A partir de 1999, o Labjor passou a oferecer um curso de pós-graduação de Jornalismo Científico.

Observatório da Imprensa

O Observatório é uma entidade civil, não-governamental, não-corporativa e não-partidária que acompanha o desempenho da mídia brasileira. Funciona como um fórum que permite debates diversos sobre coberturas jornalísticas. 

Como site, nasceu em 1996, por iniciativa do Projor – Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo e projeto original do Labjor, da Unicamp. 

Em maio de 1998, o Observatório da Imprensa ganhou uma versão televisiva, produzida pela TVE do Rio de Janeiro e TV Cultura de São Paulo, e transmitida semanalmente pela Rede Pública de Televisão.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

BLOG ARTE BRASIL ENTREVISTA BENE MACEDO




Em entrevista concedida ao jornalista Aldo Moraes, o produtor cultural, militante político e carnavalesco Bene Macedo fala sobre sua trajetória, seu envolvimento com a música e o universo do carnaval e do samba. Também comenta seu papel como voluntário da Escola de samba Explode Coração e do projeto O Samba atravessa Londrina:

Blog: Olá Bene é um prazer ter você falando com o público do blog Arte Brasil. Fale um pouco de sua infância e início de sua trajetória na cultura:

    Bene: Nasci em um berço totalmente sertanejo, apesar de ser oriundo de família negra mas meus pais, digo meus pais por que minha mãe e meu pai eram cover da dupla Cascatinha e Inhana. Cresci indo vê-los nos festivais sertanejos, cantando para os vizinhos nos domingos a tarde e em apresentações nas rádios Auri Verde e Londrina.


Blog: Como é sua relação com a música em geral e em especial com a cultura popular de raiz negra?

    Bene: Eu gosto de música, já tive banda de rock, dupla sertaneja, acompanhei folia de Santo Reis, grupo de dança Funk, já fiz letras de RAP pra uns MCS  que me pediram, já tive som eletrônico onde tocava de tudo e essa experiência foi importante por que mesmo que eu não goste de um ritmo, tendência ou estilo musical eu entendo a importância do que tudo isso representa para cada artista e eu sei respeitar.

Blog: Bene, conte sobre sua experiência com escola de samba e com o carnaval:

     Bene: Nos anos 90 eu recebi um convite da diretoria da extinta escola de samba aqui da zona oeste de Londrina, Navegantes do Mar Azul para interpretar o samba enredo, disse que aceitaria o convite mas queria fazer mais pelo grêmio e não simplesmente cantar o samba. Sentei com o compositor da escola, “Puninho” e fizemos o enredo e o samba. A partir dai foi uma verdadeira paixão, me descobri no samba onde estou até hoje. 

Na Navegantes só participei esse ano mas dai por diante juntamente com o próprio Puninho tivemos grupo de pagode”Sem Vacila Samba” por uns oito anos, depois participei em uma outra banda também de samba, isso já nos anos dois mil, Ky Sedução até 2002 que apesar do pouco tempo, fizemos um trabalho mais profissional, inclusive com a gravação de um cd onde tivemos uma das faixa “Porto Seguro” que foi durante algum tempo uma das músicas mais executadas nas rádios da região, musica que toca até hoje. Em 2002 recebi um convite para cantar em um grupo de samba no Reino Unido, um grupo de jovens intercambistas que montaram uma banda de samba lá, o cantor tinha se desentendido como grupo e o convite chegou de forma inesperada através de meu email. Fiquei seis meses  e foi o suficiente para entender que o samba realmente não tem fronteiras.   

Blog: Quais suas grandes influências musicais na área do samba?

     Bene: Por incrível que pareça eu não tenho nenhum cantor ou cantora que me influenciaram, não sei dizer, se dissesse estaria pecando, tem muita gente boa nessa área. Eu penso que a diretoria da “Navegantes do Mar Azul, juntamente com o prórpio “Puninho”, esses sim foram responsáveis, talvez eles tenham me influenciado mais que qualquer um quando me colocaram no mundo do samba e me deixaram explorar a riqueza inenarrável que tem esse mundo.


Blog: Bem, recentemente você iniciou uma parceria com o PROMIC  para o projeto O SAMBA ATRAVESSA LONDRINA que valoriza e preserva a cultura popular como samba, maracatu e dança. Como é essa parceria inédita?

      Bene: Na verdade eu preciso ser coerente, quem tem a parceria com o PROMIC não sou eu e sim a Escola de Samba Explode Coração, foi a escola que me convidou para coordenar esse projeto. É um projeto na verdade deu muito certo e está indo para sua quarta etapa e  que vem tentando resgatar as escolas de samba das regiões da cidade. A proposta e despertar o desejo e fazer com que as pessoas voltem a ter o gosto por forma de manifestação, pois isso se perdeu com o tempo na cidade por várias razões e um projeto como  “O Samba Atravessa Londrina” pode fazer fomento, resgate e descobrimento desse formato tão tradicional no pais, além do que o próprio grêmio mantém sua musculatura atualizada.

Blog: Este ano, O Samba atravessa Londrina publicou uma revista histórica com um pouco da história do povo negro em Londrina e da cultura popular nessa região do Paraná. Fale um pouco desse trabalho que está repercutindo muito:

        Bene: Então, a idéia da revista foi tratar justamente da questão do resgate através da memória, mostrar que não estamos tratando de nada novo na cidade, mostrar que as escolas de samba de Londrina já foram responsáveis não só pela questão do entretenimento mas também responsável  pela divulgação do município e por movimentar todo o comércio local. Além do que, precisamos mostrar para as pessoas que o negro fez e faz parte da história daqui. Quando nos vemos em um livro ou em um recorte de jornal nos valorizamos mais, é como se fosse um espelho mágico que nos devolvesse a juventude a vontade de continuar fazendo cada vez mais e melhor. O negro faz muito pela cidade o tempo todo, e isso tem que ser contado pelo próprio negro, para que as pessoas saibam e não se esquecem nunca mais.



Blog: Atualmente, a Explode Coração é uma das mais atuantes escolas de samba do Paraná. Conte sobre esse desafio:
      
Bene:  Eu penso que está pergunta deveria ser feita para a diretoria do grêmio, pois o que eu vejo é um tratamento muito responsável com a com a saúde fiscal, a elaboração, execução e prestação de contas dos projetos e propostas e um carinho enorme e  muita valorização da comunidade, acredito que isso são elementos preponderantes para o sucesso de qualquer entidade quentinha essa finalidade.

Blog:  Agradeço sua entrevista e peço que deixe um recado ao nosso leitor:

     Bene: Eu que agradeço a oportunidade de estar falando de um tema que muito me deixa feliz, me coloco a disposição. Um grande abraço a todos do blog e aos leitores e fiquem sempre em paz.

Mais sobre a Escola de samba Explode Coração e seus projetos:

domingo, 20 de maio de 2018

MUNDO ERUDITO: COMPOSITOR JOÃO GUILHERME RIPPER

Estreando sua sétima ópera (Kawah, O vulcão azul) e na programação do 21º Festival Amazonas de Ópera, o compositor João Guilherme Ripper é um dos grandes valores da música brasileira.

Conheça a biografia do compositor e regente:

João Guilherme Ripper é compositor, regente, gestor cultural e professor da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Obteve seu Doutorado em Composição na The Catholic University of America, em Washington D.C., onde estudou com Helmut Braunlich  e Emma Garmendia. Frequentou o Curso de “Perfeccionament en Direccón Orchestal” na Argentina, com o Maestro Guillermo Scarabino, e “Économie et Financement de la Culture”, na Université Paris-Dauphine.

Foi Diretor da Escola de Música da UFRJ entre 1999 e 2003. Em 2004 aceitou o convite do Governo do Estado do Rio de Janeiro para dirigir a Sala Cecília Meireles, onde  permaneceu por 11 anos e empreendeu uma ampla reforma. Em 2015, foi nomeado Presidente da Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro, cargo que ocupou até o início deste ano.

Ripper é membro e Vice-Presidente da Academia Brasileira de Música. Colabora frequentemente com orquestras, conjuntos de câmara, teatros e festivais no Brasil e exterior criando novas obras ou atuando como compositor residente.

Em sua produção mais recente destacam-se a série “From My Window”, encomenda do Artist Program da Kean University (US), “Desenredo” e “Cinco poemas de Vinicius de Moraes”, encomendas da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo,  “Jogos Sinfônicos”, encomenda da  Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, “Natividade – Cantata Cênica”, encomenda do Teatro Amazonas, e “Gloria Concertato”, que encerrou o I Congresso Internacional de Música Sacra no Rio de Janeiro.

Seu catálogo de obras inclui ainda as óperas “Augusto Matraga”, “Domitila”, “Anjo Negro”, “O Diletante”, além de “Onheama”, produzida no Festival Terras Sem Sombra em Portugal em 2016, e “Piedade”, que integra a Temporada 2017 do Teatro Colón.

MUNDO ERUDITO: QUEM É ELSIE HOUSTON

ELSIE HOUSTON
(Elsie Houston-Péret)
22/4/1902  Rio de Janeiro, RJ - 20/2/1943  New York, E.U.A



    Uma dos sete filhos do cirurgião-dentista americano James Frank Houston, que migrou para o Brasil em 1891, e de Arinda de Malta Galdo. Soprano de formação clássica, demonstrou talento artístico desde muito cedo, tendo estudado canto com Stella Parodi. Ainda adolescente conheceu nomes como Heitor Villa-Lobos, Heckel Tavares e Camargo Guarnieri. 


Em 1922 conheceu Luciano Gallet, com quem passou a interessar-se pelas canções folclóricas harmonizadas, de quem gravou diversas composições. Em 1923 foi enviada pela família para estudar na Alemanha, se tornando pupila da legendária cantora lírica Lilli Lehmann, com quem aprendeu sólida técnica vocal. Retornou ao Brasil dois anos depois. Em 1924 gravou de Luciano Gallet as composições "Ai, que coração", "A perdiz piou no campo" e "Fotorototó". Em 1925 gravou do mesmo compositor "Bambalelê", "Traieiras" e "Arrazoar". No mesmo ano, estudou com Ninon Vallin em Buenos Aires na Argentina. 


Em 1927 conheceu Mário de Andrade, aumentando seu interesse pelo folclore brasileiro, tendo na mesma ocasião recolhido temas do folclore nordestino para interpretar. No mesmo ano, participou do primeiro concerto de Heitor Villa-Lobos na Maison Gaveaux, em Paris, juntamente com Tomás Terán, Artur Rubinstein e Alina Van Barentzen. Na mesma ocasião recomeçou na capital francesa os estudos com Ninon Vallin. Em Paris Elsie conheceu a compositora francesa Marguerite Béclard d'Harcourt, pioneira na área da pesquisa em etnomusicologia, especialista na coleção de músicas folclóricas sul-americanas, que a encorajou a se dedicar à pesquisa da música folclórica brasileira. 


Em 1926 Elsie realizou seu primeiro concerto de músicas folclóricas brasileiras, num salão pertencente à Marguerite e seu marido Raoul d'Harcourt. No anos seguinte estreou na Salle Gaveau, dividindo o concerto com Villa-Lobos. Em seguida publicou dois livros sobre Música Popular Brasileira. Ainda em 1926 Elsie Houston conheceu o poeta surrealista Benjamin Péret, com que se casou. Em 1928 participou do I Congresso Internacional das Artes Populares, em Praga na então Thecoslováquia. Em 1930 retornou ao Brasil, quando gravou o samba "Macumbagelê" de J. da Paulicéia e Lilico Leal. No mesmo ano gravou o batuque "Cadê minha pomba rola", a canção "Puxa o melão, sabiá!" e os cocos "Coco dendê trapiá", "Eh! Jurupanã", "Aribu" e "Ai sabiá da mata", todas de motivo popular com arranjos de sua própria autoria. Na mesma ocasião publicou em Paris, com prefácio de Phillipe Stern, o livro "Chants populaires du Brésil". Em 1931 escreveu o ensaio "La musique, la danse et les cérémonies populaires du Brésil", publicado em "Art populaire, travaux artistiques et scientifiques". 


Nesse mesmo ano nasceu o seu filho, Geyser. Em 1932 gravou de Pedro da Conceição o samba "Capote do Mangô é teu" e a marcha "Vejo a Lua no céu". Por conta da aproximação de Benjamin Péret com manifestos comunistas, Péret foi expulso do Brasil, tendo Elsie retornado com o marido para Paris. Excursionou pela América e pela Europa. Em 1933 Elsie gravou uam série de canções folclóricas brasileiras na França, acompanhada por Carlitos e Sua Orquestra Brasileira. Chegou a ser considerada informalmente "A Embaixadora da Música Brasileira". Em 1936 Banjamin Péret foi para a Espanha lutar na Guerra Civil Espanhola, nessa país tendo um caso extra-conjugal. Elsie nos anos conseguintes retornou periodicamente ao Brasil, onde se dedicava igualmente à música folclórica e à música clássica, de autores como Debussy e Ravel. Separou-se de Benjamin Péret e retornou mais uma vez a Paris por volta de 1935. 

Em 1937 fixou-se em Nova York, onde viveu o resto da vida, tendo se apresentado no rádio e realizado diversos concertos nos Estados Unidos, tendo cantado para cerca de 20 mil pessoas no Watergate National Park de Washington em 1941. Envolveu-se romanticamente com um belga de nome Marcel Courbon, que se dizia "conde" ou "barão", tendo sido presa com ele em Charleston, na Carolina do Norte, aparentemente por envolvimento com causas relativas ao comunismo. Nessa mesma época Elsie mantinha um apartamento em Nova York e o filho numa escola cara. 


Morreu de forma obscura, suicidando-se com uma overdose de tranquilizantes em 1943, após sérios problemas financeiros e pessoais. Deixou duas cartas de despedida em francês para sua irmã, Maria Pedrosa, e outra para Courbon, que após a morte da cantora desapareceu e não pode ser interrogado para esclarecer as circunstâncias do suicídio. 

Uma das primeiras responsáveis pela descoberta das canções folclóricas nacionais, vertente que iria prosseguir posteriormente em trabalhos como os de Stefana de Macedo, Dilu Mello, Eli Camargo e Marlui Miranda. 

Foi casada com o poeta francês Benjamin Péret.
DISCOGRAFIA
1924 - 78 RPM
Ai, que coração (Luciano Gallet)
1924 - 78 RPM
A perdiz piou no campo (Luciano Gallet)
1924 - 78 RPM
Fotorototó (Luciano Gallet)
1925 - 78 RPM
Bambalelê (Luciano Gallet)
1925 - 78 RPM
Traieiras (Luciano Gallet)
1925 - 78 RPM
Arrazoar (Luciano Gallet)
MAR/1930 - 78 RPM (Columbia 5.182)
1. Tristeza (A Tristeza Me Persegue) (Heitor dos Prazeres / João da Gente) - Januário de Oliveira
2. Macumbagelê (J. da Paulicéia / Lilico Leal) - Elsie Houston
JUN/1930 - 78 RPM (Columbia 5.207)
1. Se Eu Tivesse Um Filme Falado De Você (De Sylva / Brown / Henderson / Décio Abramo) - Januário de Oliveira
2. Sonhador (aren't We All) (De Sylva / Brown / Décio Abramo / Henderson) - Elsie Houston
JUN/1930 - 78 RPM (Columbia 5.217)
1. Morena Cor De Canela (Adpt. Ary Kerner Veiga de Castro)
2. Saudades Da Bahia (Jorge Pereira Nóbrega / Nelson Silveira De Souza)
JUN/1930 - 78 RPM (Columbia 5.218)
1. Não Dou (Ary Kerner Veiga de Castro) - Januário de Oliveira
2. Que Queres Mais (Aldeziro Santos "manhoso") - Elsie Houston
JUL/1930 - 78 RPM (Columbia 5.223)
1. Por Teu Amor Por Ti (Raul C. Morais) - Elsie Houston
2. Eu Só Gosto É De Você (Raul C. Morais) - Januário de Oliveira
JUL/1930 - 78 RPM (Columbia 5.224)
1. Estás Zangadinha? (Raul C. Morais) - Elsie Houston e Januário de Oliveira
2. Regresso (Raul C. Morais) - Januário de Oliveira
JUL/1930 - 78 RPM (Columbia 5.225)
1. Miss Fortaleza (Mozart Ribeiro / Pierre Luz)
2. A Sombra Do Nosso Amor (José Francisco de Freitas)
JUL/1930 - 78 RPM (Columbia 5.242)
1. Vou Pra Bahia (Pedro de Sá Pereira / Correia da Silva) - Elsie Houston
2. Santinha (Tia Amélia) - Aitaré
1930 - 78 RPM (Columbia 5.243)
1. Caboclo bom (Heckel Tavares / Raul Pederneiras) - Paraguassú
2. Coração Das Muié (Plínio Brito / Domingos Magarinos) - Elsie Houston
SET/1930 - 78 RPM (Columbia 7.008)
1. Tea For Two (Vicent Youmans / I. Caesar)
2. I Want To Be Happy (I. Caesar / V. Youmanns)
SET/1930 - 78 RPM (Columbia 7.014)
1. O Barão Da Bahia (Maria Amélia Barros)
2. Cadê Minha Pomba Rola (Popular / Adpt. Elsie Houston)
SET/1930 - 78 RPM (Columbia 7.016)
1. Should I?(Arthur Freed / Hacio Herb Brown)
2. You Do Something To Me (Cole Porter)
OUT/1930 - 78 RPM (Columbia 7.033)
1. Aluga-se Um Coração (Ary Kerner Veiga de Castro)
2. Cheguei (Tia Amélia)
1930 - 78 RPM (Columbia 7.050)
1. Puxa O Melão Sabiá (Popular / Adpt. Elsie Houston)
2. Coco Dendê Trapiá (Tradicional / Adpt. Elsie Houston)
    Ai Sabiá da Mata (Tradicional / Adpt. Elsie Houston)
1930 - 78 RPM (Columbia 7.053)
1. Eh Jurupanã (Popular / Adpt. Elsie Houston)
2. Aribu (Popular / Adpt. Elsie Houston)
FEV/1932 - 78 RPM (Victor 33.520)
1. Capote Do Mangô É Teu (Faustino Pedro Da Conceição)
2. Vejo A Lua No Céu (Faustino Pedro Da Conceição)
1932 - 78 RPM (Gramophone 7075)
1. Pot pourri: Berceuse Africano-Bresilienne - com Carlitos Et Son Orchestre Bresilien
2. Oia O Sapo - com Carlitos Et Son Orchestre Bresilien 
1932 - 78 RPM (Gramophone 7133)
1. Estou Com Peso - com Carlitos Et Son Orchestre Bresilien
2. Juriatan De Coqueiro - com Carlitos Et Son Orchestre Bresilien 
SD - 78 RPM (Disque Gramophone P-760)
1. Realejo - Estrela do Ceo (Villa-Lobos)
2. Desejo - Na Paz Do Outono (Villa-Lobos)
JUN/1938 - 78 RPM (Liberty Music Shop L232)
1. Jongo
2. Fado
JUN/1938 - 78 RPM (Liberty Music Shop L263)
1. Mon Ami
2. The Cherry Tree
1941 - 78 RPM (Victor 13667)
1. Foi Numa Noite Calmosa
2. Bahia
3. Dansa de Caboclo 
1941 - 78 RPM (Victor 13668)
1. Benedicto Pretinho
2. Bia Tá Tá
3. Berimbau
1941 - 78 RPM (Victor 13669)
1. Três pontos de santo (1- Charolo, 2- Aruanda, 3- Estrela do mar) (Jaime Ovalle)
2. Tayeras (Luciano Gallet)
    Babalelê (Luciano Gallet) 
1941 - Villa-Lobos: A Festival Of Brazilian Music (Victor M-773)
1. Bachiana Brasileira nº 1
2. Nonetto For Chamber
3. Seresta nº 8
4. Quantuor For Harp