quinta-feira, 28 de abril de 2011


CONVITE PARA OUVIR BOA MÚSICA

A MÚSICA NO TEMPO, Uma História da Arte dos Sons, apresentará, a partir desta semana, quatro (4) programas (ns. 454 a 457) focalizando o gênero musical ESTUDO de suas origens até o século XX através da Rádio UNESP FM, Bauru, SP - 105,7 MHz (www.radio.unesp.br) nos seguintes horários: sábado, 7 h; domingo, 20 h, e na 3a. feira às 23 horas.



A MÚSICA NO TEMPO também é transmitido pelas Emissoras abaixo, atualmente focalizando o período musical romântico:

- RÁDIO VERDE OLIVA FM, Brasília, DF - 98,7 MHz - www.verdeolivafm.exercito.gov.br - sábado, 7 h; 3a. feira 23 h.

- RÁDIO UNIMONTES FM, Montes Claros, MG - 101,1 MHz - www.unimontes.br/radio - domingo, 10 h; 4a. feira, 22 h.

- RÁDIO UNIVERSITÁRIA FM (da UFU), Uberlândia, MG - 107,5 MHz - www.fmuniversitária@ufu.br - 4a. feira, 21 h.

- RÁDIO UNIVERSITÁRIA FM da UFRN, Natal, RN - 88,9 MHz - www.fmu.ufrn.br (Renascença) - 4a. feira, 23 h


Se você quer ouvir, e/ou trabalhar ouvindo música clássica em qualquer hora do dia, acesse a RÁDIO CLÁSSICA, música seleta da Renascença ao Século XX: www.radioclassica.com.br (24 horas pela Internet).






SESC – Serviço Social do Comércio

Rua Santa Catarina, 820 – centro 86.870-000 – Ivaiporã – PR - Fones: (43) 3472-0607

Atendente: Francismari de Souza Sant´Anna / 9903-2741

E-mail:francismarisantanna@yahoo.com.br


SESC INFORMA: Convite


O Sistema Fecomércio SESC do Paraná e os Artistas Plásticos Catalogados Juan Iguinis e Eliana L. Iguinis sentir-se-ão honrados com sua presença na exposição dos trabalhos do Ateliê Iguinis Artes com apresentação de quadros com a técnica: Óleo sobre tela


Coquetel de abertura dia 29/04/2011

(sexta-feira) as 20h


Local: Salão de Festas Soledade

Av. Aparício Bittencourt, 250 – 1º Andar

Ivaiporã – Pr


Entrada Gratuita

Maiores Informações e retirada dos convites: 3472-6345 – Ateliê Iguinis Artes ou

9911-9474 / 9907-0663 com Eliana ou Juan

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Zeferino, símbolo do Tubarão







O ex-goleiro do Londrina Esporte Clube, Zeferino Pasquini, morreu na tarde deste domingo (24) aos 74 anos, em decorrência de complicações no coração, após vários dias internado na Santa Casa de Londrina.






Por dez anos, Zeferino foi goleiro do Tubarão. Depois se tornou treinador do clube, onde permaneceu por vários anos. Ele inciou sua carreira aos 17 anos no Sport Club Corinthians Paulista. Além de sua passagem pelo Londrina, ele atuou em vários outros clubes, entre eles o Coritiba Foot Ball Club, o Clube Atlético Paranaense e Portuguesa Santista.






Ele adminsitrava o Estádio do Café há mais de 30 anos e ficou conhecido como o guardião do estádio. Homenagem O ex-atleta e ex-treinador de goleiros do Londrina Esporte Clube (LEC), Zeferino Pasquini, foi homenageado em novembro de 2009 pela dedicação de mais de 50 anos ao principal clube da cidade e ao esporte local.






O ex-atleta ganhou placas de reconhecimento do prefeito Barbosa Neto e do reitor da UEL (na época), Wilmar Marçal.






Pasquini é uma das figuras mais populares do futebol local.






Começou sua carreira na década de 1950 atuando como goleiro no Londrina e com passagens em grandes times, como o Corinthians. Porém foi no LEC que o atleta se notabilizou como jogador profissional e, mais tarde, nas décadas de 1970 e 1980, como treinador de goleiros.



MÚSICA DE ALDO MORAES REPERCUTE NO EXTERIOR



“ Agradeço seu CD com um naipe de músicas de grande qualidade e tive a agradável surpresa de constatar que algumas músicas são de tua autoria” Fernando Grade, artista plástico, escolhido a personalidade de 2010 em Portugal por suas ações em defesa do patrimônio histórico e arquitetônico, 19/04/2011


“ Obrigado por seu CD Batuque na caixa com músicas brasileiras. Apreciamos sua generosa doação e amamos seu trabalho, que acrescenta ao nosso acervo de Música Latino-Americana” G. Grayson Wagstaff, Ph.D. e Diretor do Centro de Música Latino Americana da The Catholic University of America, Estados Unidos, 15/04/2011


Anos 1970: início da fase romântica




A partir da
década de 1970, marcaria o fim da Jovem Guarda e consolidaria o prestígio de Roberto Carlos como intérprete romântico no Brasil e no exterior (Estados Unidos, Europa e América Latina). O cantor seria o artista brasileiro que mais venderia discos no país. Várias das suas canções foram gravadas por artistas como Julio Iglesias, Caravelli e Ray Conniff.




Em
1970, o cantor fez uma bem-sucedida temporada de shows no Canecão. No final daquele ano, foi lançado o álbum anual, que trouxe sucessos como "Ana", "Vista a Roupa Meu Bem" e "Jesus Cristo", canção que também marcava sua aproximação com a religião.



No ano seguinte, foi lançado "Roberto Carlos a 300 km por Hora", o último filme e também um grande sucesso nacional. Ainda em
1971, foi lançado "Roberto Carlos", disco contou com os sucessos "Detalhes", "Amada Amante","Todos Estão Surdos", "Debaixo dos Caracóis dos Seus Cabelos" (homenagem a Caetano Veloso) e "Como Dois e Dois" (de Caetano).



O álbum "
Roberto Carlos", de 1972, repercutiu com "A Montanha" e "Quando as Crianças Saírem de Férias", além de ter sido o primeiro LP a atingir a marca de um milhão de cópias vendidas; e "Roberto Carlos", de 1973, com "Rotina" e "Proposta". Em 24 de dezembro de 1974, a Rede Globo exibiu um especial do cantor, que obteve um enorme índice de audiência. A partir daquele ano, o programa seria veiculado anualmente, sempre no final do ano.



Em
1975, o grande sucesso seria "Além do Horizonte". No ano seguinte, o cantor gravaria o novo LP nos estúdios da CBS em Nova Iorque. O álbum lançou as canções "Ilegal, Imoral ou Engorda" e "Os Seus Botões". Em 1977, Roberto Carlos gravou "Muito Romântico" (de Caetano Veloso) e "Cavalgada", lançadas no disco natalino e que alcançaram os primeiros lugares nas paradas musicais.



No ano seguinte, foi lançado "
Roberto Carlos", de 1978, de onde se destacaram as famosas "Café da Manhã", "Força Estranha" (de Caetano Veloso) e "Lady Laura"- esta última dedicada a sua mãe. O disco vendeu um milhão e quinhentas mil cópias. Além de álbuns que vendiam mais de 1 milhão de cópias por ano, os shows de Roberto Carlos eram também disputados: em 1978, o cantor percorreu o país por seis meses, sempre com casas lotadas.



Quando visitou o
México em 1979, o papa João Paulo II foi saudado com a canção "Amigo", cantada por um coro de crianças. O evento foi transmitido ao vivo para centenas de milhões de pessoas no mundo. Também naquele ano, o casamento com Cleonice se desfez, iniciando um romance com a atriz Myrian Rios. Ele foi casado com Myrian por mais de 10 anos, mais não quiseram ter filhos. Roberto se engajou a pedido da ONU em prol do Ano Internacional da Criança

MISSA PASCHALIS, DE AMARAL VIEIRA

Às 17 horas de 24 de Abril de 2011
na Catedral da Sé de São Paulo

na Missa do Domingo de Páscoa
oficiada pelo Cardeal Arcebispo da Cidade de São Paulo

DOM ODILO SCHERER
será apresentada em estréia mundial a

MISSA PASCHALIS
opus 328

para coro e orquestra

do compositor paulista

AMARAL VIEIRA

A obra foi escrita especialmente para essa ocasião.
Os movimentos da Missa são:
Kyrie – Gloria – Credo - Sanctus -
Benedictus -Agnus Dei.

A composição será interpretada por
VOZ ATIVA MADRIGAL E ORQUESTRA
Com a regência de
NAOMI MUNAKATA

quarta-feira, 20 de abril de 2011



ROBERTO CARLOS 70 ANOS


Roberto Carlos Braga, 70 anos completados hoje, é de Cachoeiro de Itapemirim, Espírito Santo. Filho de Dona Laura ( a quem dedicou a famosa Lady Laura ) e de Robertino ( imortalizado em Meu querido, meu velho, meu amigo). Ainda criança aprendeu a tocar violão e piano - a princípio com sua mãe e, posteriormente, no Conservatório Musical de Cachoeiro de Itapemirim. O ídolo na época era Bob Nelson, um artista brasileiro que se vestia de cowboy e cantava música "country" em português.

Incentivado pela mãe, cantou pela primeira vez em um programa infantil na Rádio Cachoeiro, aos nove anos. Apresentou-se cantando o bolero "Amor y más amor". Como prêmio pelo primeiro lugar, recebeu balas. O cantor recordaria anos depois o momento, relatado na obra "Roberto Carlos em Detalhes", de Paulo César de Araújo: "Eu estava muito nervoso, mas muito contente de cantar no rádio. Ganhei um punhado de balas, que era como o programa premiava as crianças que lá se apresentavam. Foi um dia lindo."Tornou-se então presença assídua do programa, todos os domingos acreditando no seus sonhos de cantar.

Na segunda metade dos anos cinqüenta, mudou-se para Niterói. Seguindo a tendência juvenil da época, entrou em contato com um novo ritmo musical, o Rock, passando a ouvir Elvis Presley, Bill Haley, Little Richard, Gene Vincent e Chuck Berry.
Em 1957, Arlênio Lívio, um colega de escola, levou Roberto Carlos para conhecer um grupo de amigos que se reunia na Rua do Matoso, no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro. Lá conheceu Sebastião (Tim) Maia, Edson Trindade, José Roberto "China" e Wellington. Formou com Arlênio, Trindade e Wellington o primeiro conjunto musical, The Sputniks. Certa vez, ele precisava da letra de "Hound Dog" - e o grande fã de Elvis Presley daquela turma de amigos era Erasmo (Carlos) Esteves. Desta forma, Roberto Carlos conheceu aquele que se tornaria o maior parceiro musical.

Tim Maia saiu dos Sputiniks e o grupo foi desfeito. Edson Trindade, Arlênio e China formaram o grupo The Snakes, chamando Erasmo para ser crooner. A carreira solo de Roberto foi iniciada no mesmo ano como "crooner" da boate do Hotel Plaza, em Copacabana, cantando samba-canção e bossa nova. The Snakes acompanhavam tanto Roberto Carlos quando Tim Maia, contudo ambos nunca fizeram parte do grupo, Roberto Carlos passou a se apresentar com freqüência em clubes e festas. Roberto foi convidado por Carlos Imperial a se apresentar no programa musical "Clube do Rock", da TV Tupi. Carlos Imperial costumava apresentar Roberto Carlos como o "Elvis brasileiro" e Tim Maia como o "Little Richard brasileiro". No final daquela década, Roberto gravou alguns compactos e iniciava sua carreira oficialmente.

Em 1959, Roberto Carlos lançou "João e Maria/Fora do Tom", um compacto simples. Dois anos depois, ele lançava o primeiro álbum, "Louco Por Você". Imperial compôs boa parte das canções deste disco. O disco não chegou a ter tanto sucesso, e hoje é esquecido.

Anos 1960: a Jovem Guarda

Roberto Carlos insistiu em investir na música jovem da época, o rock, e em 1962 lançou "Splish Splash". Com o amigo Erasmo, Roberto compunha versões de hits do álbum e canções próprias como "Splish Splash" e "Parei na Contramão", que se tornaram grandes sucessos. No ano seguinte, o cantor novamente esteve nas paradas de sucesso com o LP É Proibido Fumar, em que, além da faixa-título, destacou-se a canção "O Calhambeque". Assim nascia a Jovem Guarda.

Conhecido nacionalmente, Roberto Carlos começou a apresentar o programa Jovem Guarda em 1965, da TV Record, ao lado de Erasmo Carlos e Wanderléa. O programa popularizou ainda mais o movimento e consagrou o cantor, que se tornou um dos primeiros ídolos jovens da cultura brasileira. Ainda em 1965, foram lançados os álbuns "Roberto Carlos Canta Para A Juventude" - com sucessos "História de Um Homem Mau", "Os Sete Cabeludos", "Eu Sou Fã do Monoquíni" e "Não Quero Ver Você Triste", parcerias com Erasmo Carlos - e "Jovem Guarda", com os sucessos "Quero Que Vá Tudo Pro Inferno", "Lobo Mau", "O Feio" (de Getúlio Côrtes) e "Não é Papo Pra Mim".

Em 1967, Roberto Carlos fez em Cannes (França) os primeiros espetáculos no exterior e participou de alguns festivais de Música Popular Brasileira. Com "Maria, Carnaval e Cinzas" (de Luís Carlos Paraná), o cantor ficou em quinto lugar.
Em 1968 foi lançado o LP "O Inimitável". Disco de transição na carreira do cantor, o álbum teve influências na black music (Soul/Funk) estadunidense e emplacou vários sucessos, como "Se Você Pensa", "Eu Te Amo, Te Amo, Te Amo", "É Meu, É Meu, É Meu", "As Canções que Você Fez Pra Mim" (todas parcerias com Erasmo Carlos), "Ciúme de Você" (de Luiz Ayrão) e "E Não Vou Deixar Você Tão Só" (de Antônio Marcos). Ainda naquele ano, Roberto Carlos se tornaria o primeiro e único brasileiro a vencer o Festival de San Remo (da Itália), com a canção "Canzone Per Te", de Sergio Endrigo e Sergio Bardotti, e se casaria, em Santa Cruz de la Sierra (Bolívia), com Cleonice Rossi, mãe dos filhos, nascidos no Brasil, Roberto Carlos Segundo (o Segundinho, mais conhecido como Dudu Braga, nascido em 1969), e Luciana (nascida em 1971).

A mudança de estilo do cantor viria definitivamente em 1969. O álbum "Roberto Carlos" foi marcado por um maior romantismo em lugar dos tradicionais temas juvenis típicos da Jovem Guarda. Entre os sucessos deste LP estão "As Curvas da Estrada de Santos", "Sua Estupidez" e "As Flores do Jardim da Nossa Casa", todas parcerias com Erasmo Carlos. Ainda naquele ano, foi lançado o "Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-Rosa", segundo filme dirigido por Roberto Farias e novo êxito de bilheteria.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Virada Cultural tem público de 4,5 milhões de pessoas, diz organização

Julia Chequer/R7
Julia Chequer/R7

Público se animou no show do Frejat


A organização da Virada Cultural estimou em 4,5 milhões de pessoas o público do evento. A Virada 2011 começou às 18h de sábado (16) e terminou por volta de 20h de domingo (17). A estimativa feita pela Polícia Militar ainda não foi divulgada, mas se o número da organização for confirmado, a edição desse ano será a com maior participação. No ano passado foram 4 milhões de pessoas.

No final da tarde de domingo, a poucas horas do fim do evento, o secretário de Cultura da cidade, Carlos Augusto Calil, disse que a Virada foi um sucesso. Ele ressaltou que mesmo com mais gente, a festa registrou menos problemas. Durante a madrugada, houve tumulto por causa de uma briga entre gangues e uma pessoa caiu do viaduto da Santa Ifigênia e morreu.

A GCM (Guarda Civil Metropolitana) atendeu 29 ocorrências entre agressões, furto a transeunte e tentativa de suborno, entre outros. Também foram feitas apreensões de ambulantes, somando mais de 30 t de produtos apreendidos. A maior parte dessa mercadoria era composta por vinho químico e cerveja.

O presidente da SPTuris (São Paulo Turismo), Caio de Carvalho, fez uma avaliação positiva do evento, principalmente no que diz respeito à organização. Durante o evento, a Prefeitura de São Paulo disse que recolheu 150 toneladas de lixo.


O secretário aponta, porém, coisas que precisam ser aperfeiçoadas. Para ele, é necessário distribuir mais mapas e programas da festa e melhorar os mil banheiros instalados nas ruas para a Virada. Ele adianta que estão trabalhando em um tipo de banheiro novo.

FONTE: R7 noticias

MAESTRO DANIEL HAVENS E A MÚSICA DE CINEMA


Do concerto organizado pelo Maestro norte-americano, radicado no Brasil, Daniel Havens e que ocorreu dia 14 de abril em Londrina, com a Orquestra Sinfônica da UEL fica no mínimo uma lição cultural : para atrair o grande público aos teatros e praças, é preciso mesclar peças tradicionais e contemporâneas à um repertório mais acessível.

O que aconteceu , no Teatro Ouro Verde, foi simbólico e singular em se tratando de um concerto de temporada da OSUEL: casa lotadíssima e pessoas do lado de fora do teatro, tentando assistir o concerto.

Mas o que poderia ter acontecido? Seria a presença de um músico nascido nos EUA ? A chuva que deu trégua ?

Certamente a escolha do repertório foi decisiva e precisamos mesmo tirar lições de tal feito. Não é defender somente um repertório mais popular, mas saber contemplar os interesses do público: há uma repetição na escolha dos clássicos e românticos quando se trata de orquestras no Brasil e por outro lado, a música moderna e contemporânea afasta a platéia. Entre uma escolha e outra, há o meio termo, a mescla.

Num país absolutamente musical e com uma força tão grande da música popular, pode se aproveitar este potencial e prestigiar compositores de diferentes épocas e estilos, como Luiz Gonzaga, Tom Jobim e Pixinguinha e valorizar o gosto do público. O famoso arranjo de Ciro Pereira" Gonzaguiana" é muito solicitado pelas platéias, bem como os arranjos sinfônicos de Pixinguinha e peças de Jobim, como Sinfonia do Alvorada, Saudade do Brasil e a Suíte A casa assassinada, encantam o público de várias partes do mundo.

E isto pode interagir com o repertório tradicional e com a inclusão de novos autores e obras. O Brasil tem compositores que recentemente faleceram e que precisam ser mais ouvidos, como Camargo Guarnieri, Hans Joachin Koellreutter, Almeida Prado e Henrique de Curitiba.

O concerto de 14 de abril trouxe arranjos de música para cinema feitos por Daniel Havens. Aí estão: A conquista do oeste, Superman, Indiana Jones, Harry Potter e Dança com lobos. A OSUEL esteve em todo o seu potencial: com brilho, pianos e fortes com a força e a riqueza de timbres necessários, ataques perfeitos e os músicos satisfeitos com o resultado. Como disse: casa lotada com pessoas e crianças sentadas no chão e os músicos aplaudidíssimos.

Aplausos para o talentoso Havens, para a OSEUL, para a Universidade Estadual de Londrina e para a cidade de Londrina. O público sabe o que é bom! O público sabe o que quer!



Aldo Moraes
composermoraes@hotmail.com
INSTITUTO CULTURAL ARTE BRASIL AGRADECE:

O recebimento das seguintes correspondências:

a) Cartão de Páscoa da escritora Rivanilda ( RJ )


b) Revista Concerto ( SP )


c) Jornal Letras Santiaguenses 92 ( RS ) que traz o poema escrito por Aldo Moraes e dedicado à Vinicius Moryia Quadros


d) Exemplares do Jornal O Fanal ( SP )


e) Revista E Sesc ( SP )


f) Jornal Cotiporã Cultural ( SP )


g) Folderes de exposições do Instituto Tomie Ohtake ( SP )

Sesc Pompeia terá festival Jazz na Fábrica em maio


Estão confirmados os nomes de três atrações norte-americanas: o veterano saxofonista Archie Shepp ( foto ), a cantora Dee Dee Bridgewater e a banda Bad Plus

Mulatu Astatke, ícone do ethio-jazz, e sua jovem banda fizeram dois shows antológicos no mês de março no Sesc Vila Mariana. Antes dele, outra figura lendária, o nonagenário Yousef Lateef, arrebatou o público que lotou o Sesc Pompéia em fevereiro. Se estas duas atrações caíram como rituais de elevação de espírito nos fãs de jazz, outra boa notícia "para lavar a alma", como se diz, é que o mês de maio, do dia 7 ao dia 29, vai ser tomado por esse gênero de música na Pompéia, com o festival Jazz na Fábrica.

Ainda falta uma atração internacional para completar o elenco, mas estão confirmados os nomes de três atrações norte-americanas - o veterano saxofonista Archie Shepp, a cantora Dee Dee Bridgewater e a banda Bad Plus, que já tem público cativo na cidade -, além de grupos da Holanda e da Suécia e muitos brasileiros.

São várias vertentes do jazz, desde o tradicional, o experimental e o free jazz até fusões com pop e eletrônica e música brasileira. Uma das mais fortes atrações nacionais é o tributo a Moacir Santos (1926-2006), com a fantástica Orquestra Ouro Negro, projeto idealizado por Mario Adnet e Zé Nogueira.

Temas de Moacir também estão no repertório do Zerró Santos Big Band Project. Além dessas duas superbandas, haverá outra grande reunião de feras do instrumental brasileiro, Toninho Horta, Arismar do Espírito Santo, Robertinho Silva e Heraldo do Monte, no show Bons Amigos.

O Jazz na Fábrica também terá encontros inéditos de bandas paulistas com estrangeiras: Hurtmold e Fire! (da Suécia), André Marques Sexteto e Blazin? Quartet (Holanda), Bodes e Elefantes e Knalpot (Holanda). Leny Andrade canta os sucessos de sua carreira com a Banda Sambop.

Além dos shows, o evento terá jam sessions aos sábados na choperia, com Arismar do Espírito Santo e convidados (dia 7), Filó Machado e convidados (dia 14), Djalma Lima e convidados (dia 21) e Quarteto Tempo e convidados (dia 28). Durante as tardes dos fins de semana, grupos de "street jazz" se apresentam na rua central do Sesc Pompéia. O pianista André Marques e a flautista Léa Freire darão workshops para músicos profissionais e amadores e Carlos Calado fará uma palestra dando um panorama da evolução do jazz.

Os ingressos vão custar no máximo R$ 32.
ZOONA - encontro literário de Curitiba

Mesas-redondas, performances, mostra de vídeo, intervenções, lançamento de livros e publicações, leitura de poesia e prosa (poema ao vivo), exposição documental e lançamento do suplemento literário vagau – edição exclusiva do evento. Essas foram as atividades que integraram a programação do ZOONA literária, que agitou Curitiba nos dias 15, 16 e 17 de abril.

Incentivado pelo Fundo Municipal de Incentivo à Cultura de Curitiba, com realização da editora Medusa, o evento ZOONA literária aconteceu no Solar do Barão (Rua Carlos Cavalcanti, n. 533), à exceção da mostra de vídeo com suas sessões no Paço da Liberdade (Praça Generoso Marques, 189). A curadoria do evento, assinada pelo poeta e editor Cláudio Daniel (SP) e pela poeta e artista visual Joana Corona (PR), tem como referência os trabalhos dos escritores Valêncio Xavier e Wilson Bueno.

Uma homenagem que, sobretudo, realizou-se com a apresentação de trabalhos, ações e pensamento inventivos, modos de acessar o extraordinário legado composto pelas obras destes autores.

Embora seja um encontro literário, ZOONA transita por diferentes formas expressivas e portanto abrange um público heterogêneo, expandindo-se para outros campos artísticos. Entre os convidados das mesas-redondas estão os escritores Luis Ruffato (SP), Paulo Venturelli (PR), Raquel Stolf (SC), Victor Sosa (México) e Luis Serguilha (Portugal).

Documentário, entrevista, videoarte, videopoema e filmes do Valêncio Xavier comporão a mostra de vídeo ZOONA, além de curtas de ficção de diversos diretores. As performances foram preparadas por Marcelo Sahea (RS), Ricardo Corona e Eliana Borges (PR).

Maiores detalhes sobre a programação do evento estão disponíveis em: www.zoonaencontroliterario.wordpress.com

“De uns tempos pra cá, tenho percebido um discurso que diz o que é literatura e o diz ocupando o seu centro. Um discurso que, ingênua ou intencionalmente, tem empurrado para a margem autores inventivos como Leminski, Valêncio, Wilson, Karam, Josely, entre outros. E literatura, definitivamente, não se faz com discursos polidos e centralizados. Sequer é coisa para se decifrar e depois conquistar. Em ZOONA, que traz em si a coerência de ser um espaço efêmero e passageiro, com três dias de duração, discutimos não a margem excludente e o discurso que articula, mas a zona extrema, a zona de invenção que vem sendo habitada por certa literatura contemporânea e que muito nos diz respeito nestes platôs curitibanos”, afirma o poeta Ricardo Corona, coordenador do evento.



Roberto Carlos e o imaginário popular



A vida do compositor e cantor Roberto Carlos já faz parte do imaginário popular do povo brasileiro. Estou preparando um texto sobre o tema, além de postar esta semana no blog, a vida narrativa do Rei.

Mas fomos pegos de surpresa por uma vida em constante ebuliçãopública e no dia 16 de abril, sábado faleceu a filha mais velha de Roberto, na verdade filha de sua primeira mulher ( Nice) e que o Rei adotou como sua e lhe deu o sobrenome. Isto acontece a 3 dias do músico completar 70 anos de idade.

Em 2010, em pleno show de comemoração do seu aniversário, Roberto Carlos recebeu a notícia da morte da mãe ( Lady Laura, aos 96 anos ).

No passado, ele perdera a ex-mulher Nice, de câncer e em 1999, seu grande amor Maria Rita, morreu depois de padecer da mesma doença.

Roberto tem falado ao coração dos brasileiros há 50 anos e tudo o que acontece em torno do astro, atrai a atenção e comove o país. É uma dor às vesperas do que seria uma grande comemoração.

Mas a vida de Roberto tem sido de superações desde que perdeu uma perna, aos 6 anos de idade, em sua pequena Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo.



Aldo Moraes


AGENDA INSTITUTO TOMIE OHTAKE



a) Exposição Tomie Ohtake, pinturas cegas

" Há pouco mais de meio século, o asbtracionismo, o concretismo e um incipiente neo concretismo compunham o panorama da arte brasileira.

Segundo Mário Pedrosa, quando se procurava uma saída não geométrica para a produção do período, essa era a trilha percorrida pelas pinturas de Tomie reunidas na exposição proposta por paulo Herkenhoff. Com pinturas cegas, o curador retoma e aprofunda a reflexão acerca da série.

De 13 de abril a 9 de junho de 2011



b) Exposição Arquitetura Brasileira, o coração da cidade / A invenção dos espaços de convivência

Sob curadoria do arquiteto e professor da USP, apresenta projetos que a partir do modernismo, melhor exemplificam os espaços tanto públicos quanto privados, criados para promover o encontro entre as pessoas. A Mostra reúne 112 projetos, 43 basilares e mais 69 referenciais, exibidos principalmente através de fotos, além de desenhos, maquetes e textos explicativos.

De 20 de abril a 3 de julho de 2011


Instituto Tomie Ohtake
Avenida Faria Lima, 201
Pinheiros São Paulo SP

Tel 11 2245-1900
www.institutotomieohtake.org.br

instituto@intitutotomieohtake.org.br

quinta-feira, 14 de abril de 2011



DONA IVONE LARA 90 ANOS


Formada em Enfermagem, com especialização em Terapia Ocupacional, foi assistente social até se aposentar em 1977. Nesta função trabalhou em hospitais psiquátricos, onde conheceu a dra. Nise da Silveira.

Com a morte do pai aos três anos de idade, e da mãe aos doze, foi criada pelos tios e com eles aprendeu a tocar cavaquinho e a ouvir samba, ao lado do primo Mestre Fuleiro; teve aulas de canto com Lucília Villa-Lobos e recebeu elogios do marido desta, o maestro Villa-Lobos.


Casou-se aos 25 anos de idade com Oscar Costa, filho de Afredo Costa, presidente da escola de samba Prazer da Serrinha, onde conheceu alguns compositores que viriam a ser seus parceiros em algumas composições, como Mano Décio da Viola e Silas de Oliveira.


Compôs o samba Nasci para sofrer, que se tornou o hino da escola. Com a fundação do Império Serrano, em 1947, passou a desfilar na ala das baianas. Compôs o samba Não me perguntes, mas a consagração veio em 1965, com Os cinco bailes da história do Rio quando tornou-se a primeira mulher a fazer parte da ala de compositores de escola de samba.


Aposentada em 1977, passou a dedicar-se exclusivamente à carreira artística. Entre os intérpretes que gravaram suas composições destacam-se Clara Nunes, Roberto Ribeiro, Maria Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paula Toller, Paulinho da Viola , Beth Carvalho, Mariene de Castro e Roberta Sá e Dorina .

terça-feira, 12 de abril de 2011


CONCERTO : Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza


Abanda (Nova Olinda, Cariri, CE)
Dia 28, quinta-feira, às 12h e 18h

Vindos de experiências Brasil afora e com a bagagem de duas turnês internacionais passando pela Alemanha, Itália e Portugal, o grupo de música instrumental, criado na Fundação Casa Grande, Nova Olinda-CE, é formado por videomakers e videographers, profissionais que utilizam, criativamente, vídeos e gráficos em shows. Com influências de músicos como Gilberto Gil, Jefferson Gonçalves, Heraldo do Monte, Arismar do Espírito Santo e Arnaldo Antunes, com quem já tocaram, e tantos outros com quem mantiveram contatos e também dividiram palco, e das tradições populares, Aécio Diniz, Samuel Macedo e Hélio Filho produzem juntos, desde os nove anos de idade, música e vídeo. Com o produtor musical e percussionista André Magalhães, desenvolveram, no Laboratório de Música da Fundação Casa Grande, o espetáculo “Rua do Vidéo”, um musical que mostra o olhar do grupo sobre a região do Cariri, utilizando-se do audiovisual e de trilhas musicais para realizar um passeio pelas ruas e cidades da região. Um diálogo de som e imagens sobre a cultura popular, vista pelo prisma da infância, no interior do Brasil. A rua que dá nome ao espetáculo fica no centro de Barbalha e é nesse espaço que desfilam os grupos de tradição popular. No show, essas imagens são reavivadas.
Estes “meninos da Casa Grande” tentam transformar a música, com influência das origens do seu povo, em uma ferramenta para a construção social de crianças e jovens, e trazem agora, para o encantamento do público, essa mescla de imagens, sons e emoções para o palco do CCBN-Fortaleza.

Programa

01 - A hóstia e cauim (Alemberg Quindins)
02 - Poesia (Poeta Felipe)
03 - Eu vi a maré encher (Agentes do Coco da Batateira)
04 - Aboio para a casa grande FM (Danta Aboiador)
05 - Viola violeta (Aécio Diniz / Samuel Macedo / Hélio Filho)
06 - Canção do lenço (Cego Heleno)
07 - Velejar a barca (Reisado discípulos do Mestre Pedro)
08 - Forró na feira (Aécio Diniz / Samuel Macedo / Hélio Filho)
09 - Wuaicá (Alemberg Quindins / Rosiane Lima Verde)
10 - Galopando (Aécio Diniz / Samuel Macedo / Hélio Filho)

Ficha Técnica
Aécio Diniz (baixo)
Samuel Macedo (guitarra e violão)
Hélio Filho (bateria)
André Magalhães (percussão)

ENTREVISTAS E INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

· André Marinho (coordenador musical do Centro Cultural Banco do Nordeste) – (85) 3464.3259 / 9111.1090 – andreluismm@bnb.gov.br

· Tessi Letícia Barbosa (gerente do Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza) – (85) 3464.3111 / 8635.6031 – tessileticia@bnb.gov.br

· Luciano Sá (assessor de imprensa do Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza) – (85) 3464.3196 / 8736.9232 – lucianoms@bnb.gov.br
I Encontro Internacional de Educadores em Música


O I Encontro Internacional de Educadores em Música de 11 a 15 de abril de 2011 pretende discutir as condições atuais no ensino de Música nos cursos de graduação e pós-graduação, questionando e comparando modelos para as estratégias de ensino, assim como ferramentas pedagógicas e produção de material didádico-pedagógico adequado à(s) realidade(s) de ensino de uma sociedade plural e de valores culturais híbridos.
Este encontro pretende oferecer aos educadores em música, um intercâmbio internacional, onde experiências na área educacional possam gerar perspectivas teóricas e metodológicas inovadoras.

Atenciosamente

Prof. Dra Silvia Berg
Chefe do Departamento de Música da FFCLRP e Coordenadora do evento.

www.ffclrp.usp.br


MÚSICA NO MUSEU



Ordem do Mérito Cultural 2008
CONCERTOS DE OUTONO. (*)
Abril 2011

Na sequência de sua programação, Música no Museu traz novidades em abril, como a Orquestra de Violoncelos de Volta Redonda, sob a regência de Sarah Higino no dia 1º. no CC Light. Marca, também, a continuidade do Museu da Favela no sábado, dia 23, com o Villa-Lobos in Jazz apresentando-se no Museu de Favela, no morro do Cantagalo e do organista, Adelson Santos, na Igreja Nossa Senhora do Rosário, no leme, dia 16, às 19h.
Outras novidades: pianista Paula Faour, trio Helen Heinzle – soprano, Leonardo La Greca – barítono, Viviane Sobral – pianista, Duo Tocata Dois, Alisson Alípio – violonista, o Duo Ana D´ Souza - piano e Tatiana Tsai - soprano e o grupo Kaleidos.

Os músicos italianos Alessandro Crosta, flauta e Nadia Testa, piano realizarão duas apresentações: no dia 18 ás 18h, no Istituto Italiano Di Cultura, no dia 20, às 12h30 no Museu da República e o grupo Dinamarquês Wazzabi que se apresenta no dia 16, no Museu Parque das Ruínas e, assim, iniciando as atrações internacionais que prosseguirão em maio dentro do VI RioHarpFestival. Destaque, também, para o primeiro concerto de Música no Museu Internacional de 2011 com o violonista, Mário Silva, apresentando-se em Oslo, na Noruega, na Swedish Church, no dia 11 de abril, às 19h, sob os auspícios da Embaixada do Brasil naquele país e, também, da Academia de Música de Oslo.

Encerrando a programação, a renomada pianista, Lícia Lucas,recém-chegada de uma tournée européia, apresenta-se no Palácio São Clemente, dia 30, às 18h.
Serão 27 concertos só no Rio de Janeiro, e incluindo os 4 de São Paulo, teremos 31 concertos no mês de abril.
Esperamos por vocês.

Sds Sergio da Costa e Silva- Diretor de Musica no Museu- www.musicanomuseu.com.br – tel: (21) 2253-8645.
*Sujeito a mudanças emergenciais
Dia 06/04 – Quarta-feira
Museu da República – 12h30
Rua do Catete, 153 – Catete
Capacidade: 80 lugares
Músico: Paula Faour, piano
Programa: Bill Evans, Sivuca, Paula Faour, Haroldo Lobo, Baden Powell.

Dia 07/04 – Quinta-feira
Museu Nacional de Belas Artes – 12h30
Av. Rio Branco, 199 – Centro
Capacidade: 180 lugares
Músico: Duo Helder Teixeira e Sarah Higino – flauta e piano
Programa: Carl Czerny, G. Fauré, K. Fukushima, C. Braun, Villa-Lobos.

Dia 08/04 – Sexta-feira
Centro Cultural Justiça Federal – 15h
Av. Rio Branco, 241 – Centro
Capacidade: 142 lugares
Músico: Anderson Alves, piano – Edison Monteiro, violino e Tatiana Silva, clarineta
Programa: e. Villani-Cortes, Carlos de Almeida, Anderson Alves, Ernesto Nazareth, Severino Araújo.

Dia 09 – Sábado
Museu Parque das Ruínas – 11h30
Rua Murtinho Nobre, 169 – Santa Teresa
Capacidade: 100 lugares
Músico: Miguel De Laquila, violão
Programa: D. Scarlatti, J. S. Bach, F. Tarrega, Tom Jobim, M. M. Ponce.

Dia 10/04 – Domingo
Museu de Arte Moderna – 11h30
Av. Infante Dom Henrique, 85 – Parque do Flamengo
Capacidade: 200 lugares
Músico: Helen Heinzle, soprano - Leonardo La Greca, barítono e Viviane Sobral, pianista
Programa: Claudio Monteverdi, Wolfgang Amadeus Mozart, Ernest Chausson, Franz Schubert, Gabriel Fauré

segunda-feira, 11 de abril de 2011

VILA CULTURAL BRASIL



O MÚSICO DO CSI

Este é o rosto do músico cuja abordagem conceitual ( de temporada em temporada) na série CSI, me tem chamado muito a atenção. Logo no início das exibições da primeira temporada, no Brasil, achava intrigante a ausência de música ( tal como geralmente concebemos as trilhas na televisão, cinema e teatro) nos episódios e que durou alguns anos. Na verdade, era uma abordagem contemporânea na sua relação com a tecnologia empregada pelos cientistas na busca pela solução dos crimes e na maneira como o roteiro e a concepção da série eram elaborados.

Bem, o cara é John M Keane ...

E o que me entusiasmou quando me deparei com a suposta ausência de música em CSI, na verdade era a presença de outra música: criada ( me parece ) em consonância com o roteiro e muitas vezes indo além do texto, John Keane trabalhava com mesclas, ruídos, notas longas, clusters harmônicos e idéias sonoras, fazendo com que o telespectador ouvisse" o roteiro" em primeiro e único plano. Me deliciei com os momentos de falas entre os personagens em que nenhum som pontuava as cenas.

Os efeitos desta abordagem em que o compositor se ausenta ( e não deve ter sido fácil tomar esta decisão, mas como foi fascinante do ponto de vista da estética e do conceitual ) podem ser sentidos, em : aumento do ambiente de suspense; as vozes dos personagens transformados em elementos musicais ( pela simples entonação da voz ); a música urbana de carros, buzinas, sirenes e ambientes de bares se sobressai ...

Nas últimas temporadas, já há uma música na série CSI Las Vegas, que são as trilhas escritas por Keane. Mas vejam como ela é diferente e mostram um artista que gosta de inovar e provocar o espectador.

Mas quem é John M Keane ?

John Keane, nascido e criado em Los Angeles, começou sua carreira como cantor ainda criança e na idade de onze anos, juntamente com o irmão mais velho: Tom, fez a popular dupla Os Irmãos Keane. Em 1977 lançou seu primeiro single, "Sherry", em seu álbum de estréia para a 20th Century Records.
Depois da dissolução do grupo, John Keane partiu em carreira solo, lançando o álbum em 1996, seguido de "Straight Away" em 1999. Desde então, Keane construiu uma notável carreira como cantor, compositor, e músico de estúdio.

Como compositor, John Keane criou o som inovador e continua a marcar o sucesso mundial da série CSI: Crime Scene Investigation, atualmente em sua 10a temporada. Ele foi nomeado para um Emmy por seu trabalho no CSI em 2007, bem como 12 prêmios BMI e ASCAP nos anos seguintes.
Também compôs a música tema principal para o reality show "The Amazing Race".

Aldo Moraes ( compositor )
composermoraes@hotmail.com

Jornalista Reali Júnior morre aos 71 anos em São Paulo


O jornalista Elpídio Reali Júnior morreu na manhã deste sábado, dia 9 de abril, após um infarto em São Paulo. Ele tinha 71 anos.
Reali Júnior trabalhou como correspondente em Paris da rádio Jovem Pan e do jornal "O Estado de S. Paulo". Em 2007, lançou o livro "Às Margens do Sena", em que contava suas experiências ao longo de 50 anos de profissão.
O correspondente sofria de câncer no fígado e, dois anos atrás, teve diagnosticada a necessidade de realizar um transplante.
Ele chegou a passar por uma consulta para o acompanhamento do câncer no dia 8 de abril e piorou na manhã do dia seguinte.
O jornalista era casado e tinha quatro filhas. Uma delas, Cristiana Reali, tornou-se atriz de sucesso na França.

Os 90 anos de Frans Krajcberg

Frans Krajcberg , nasceu em Kozienice, Polônia, no dia 12 de abril de 1921.
Pintor, escultor, gravador e fotógrafo, artista plástico naturalizou-se brasileiro e tem uma obra singular, voltada à contundente defesa do meio ambiente.
Durante a Segunda Guerra Mundial (1938-1945) em 1939, Krajcberg buscou refúgio na União Européia, onde estudou engenharia e artes na Universidade de Intgrad. Residiu na Alemanha prosseguindo seus estudos na Academia de Belas Artes de Stuttgart.

Chegou ao Brasil em 1948, vindo a participar da oitava Bienal de São Paulo, em 1951. Durante a década de 1940 o seu trabalho era abstrato.

De 1948 a 1954 viveu entre as cidades de Paris, Ibiza e Rio de Janeiro, onde produziu os seus primeiros trabalhos fruto do contato direto com a natureza. Na década de 1950 morou em uma caverna no Pico da Cata Branca, região de Itabirito, no interior de Minas Gerais. Ali na região, à época, era conhecido como o barbudo das pedras, uma vez que vivia solitário, sem conforto, tomando banho no rio vizinho, enquanto produzia, incessantemente, gravuras e esculturas em pedra.

Em 1964, executou as suas primeiras esculturas com madeiras de cedros mortas. Realizou diversas viagens à Amazônia e ao Pantanal Matogrossense, fotografando e documentando os desmatamentos, além de recolher materiais para as suas obras, como raízes e troncos calcinados. Na década de 1970 ganhou projeção internacional com as suas esculturas de madeira calcinada.

A sua obra reflete a paisagem brasileira, em particular a floresta amazônica, e a sua constante preocupação com a preservação do meio-ambiente. Atualmente, o artista tem se dedicado à fotografia.

O Sítio Natura

Krajcberg está radicado desde 1972 no sul da Bahia, onde mantém o seu ateliê no Sítio Natura, no município de Nova Viçosa. Chegou ali a convite do amigo e arquiteto Zanine Caldas, que o ajudou a construir a habitação: uma casa, a sete metros do chão, no alto de um tronco de pequi com 2,60 metros de diâmetro. À época Zanine sonhava em transformar Nova Viçosa em uma capital cultural e a sua utopia chegou a reunir nomes como os de Chico Buarque, Oscar Niemeyer e Dorival Caymmi.

No sítio, uma área de 1,2 km², um resquício de Mata Atlântica e de manguezal, o artista plantou mais de dez mil mudas de espécies nativas. O litoral do município é procurado, anualmente, no inverno, por baleias-jubarte.

No sítio, dois pavilhões projetados pelo arquiteto Jaime Cupertino, abrigam atualmente mais de trezentas obras do artista. Futuramente, com mais cinco construções projetadas, ali se constituirá o Museu que levará o nome do artista.

CARTA ABERTA DO ARTE BRASIL


O Instituto Cultural Arte Brasil repudia todo e qualquer ato de violência contra a figura da criança e do adolescente, como ocorreu esta semana na Escola Tasso Silveira, no Rio de Janeiro.

Desde o início de sua constituição formal, a instituição está comprometida com o futuro da infância e da juventude através de projetos culturais, artísticos e educacionais que sempre trazem junto uma proposta social, como é o caso do Batuque na caixa. Este projeto, desde 1999 atendeu 5.400 alunos gratuitamente em bairros e escolas de Londrina. É lamentável que atos desesperados e de vingança contra um sistema que ainda falha na inclusão social de brasileiros desfavorecidos ou com problemas psíquicos, venham atingir crianças e educadores inocentes.


Aldo Moraes ( Músico e Presidente do Instituto Cultural Arte Brasil )

E-mail: composermoraes@hotmail.com

E-mail do ICAB: infoartebrasil@yahoo.com.br

quinta-feira, 7 de abril de 2011


HÁ 40 ANOS, A MÚSICA PERDIA O RUSSO STRAVINSKY

Ígor Fiódorovitch Stravinsky (em
russo: И́горь Фёдорович Страви́нский; Oranienbaum, ), nasceu em 17 de Junho de 1882 )foi compositor, pianista e maestro russo, considerado por muitos um dos compositores mais importantes e influentes do século XX.
Foi o
arquétipo do russo cosmopolita, escolhido pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do século.Além do reconhecimento que obteve pelas suas composições, ficou ainda famoso como pianista e maestro, estando nessa condição muitas vezes na estréias das suas obras. A carreira de compositor de Stravinsky foi notável pela sua diversidade estilística.

Inicialmente adquiriu fama internacional com três ballets encomendados pelo empresário Sergei Diaghilev e executados pelos Ballets Russes de Diaghilev: L'Oiseau de feu ("O Pássaro de Fogo") (1910), Petrushka (1911/1947), e Le Sacre du printemps ("A Sagração da Primavera") (1913).


A Sagração, cuja estréia provocou um motim, transformou o modo de pensamento dos compositores posteriores acerca da estrutura rítmica, e foi largamente responsável pela reputação duradoura de Stravinsky enquanto revolucionário musical, forçando as fronteiras do design musical.


Após esta fase inicial russa, Stravinsky virou-se para o
neoclassicismo na década de 1920. As obras deste período tendem a utilizar as formas musicais tradicionais (concerto grosso, fuga, sinfonia), frequentemente disfarçadas com um veio de emoção intensa sob uma aparência superficial de distanciamento ou austeridade, muitas vezes prestando tributo à música de mestres anteriores, como J. S. Bach e Tchaikovsky.

Nos anos 1950 adaptou os procedimentos do serialismo, utilizando as novas técnicas ao longo dos seus últimos vinte anos. As composições de Stravinsky deste período têm pontos em comum com toda a sua produção anterior: energia rítmica, a construção de idéias melódicas desenvolvidas a partir de algumas células de duas ou três notas, e clareza de forma, instrumentação e expressão vocal.

Também publicou vários livros ao longo de sua carreira, quase sempre com a ajuda de um colaborador, por vezes não nomeado. Na sua autobiografia de 1936, Chronicles of My Life, escrita com a ajuda de Walter Nouvel, Stravinsky incluiu a sua famosa declaração de que a "música é, pela sua própria natureza, essencialmente impotente para expressar seja o que for.”

Com Alexis Roland-Manuel e Pierre Souvtchinsky escreveu as suas Charles Eliot Norton Lectures (Harvard University,1939–40 ), que foram feitas em francês e mais tarde coligidas sob o título Poétique musicale em 1942 (traduzidas para o inglês em 1947 como Poetics of Music). Muitas entrevistas nas quais o compositor conversou com Robert Craft foram publicadas como Conversations with Igor Stravinsky.


Colaboraram ainda em mais cinco volumes adicionais durante a década seguinte.


Há 40 anos, em 6 de abril de 1971, em Nova Iorque, morria um dos mais completos e rebeldes músicos do século XX.

MUNDO ERUDITO a) CORAT invita a las VII Jornadas Argentinas de Música Contemporánea e Investigación 2011. Se convoca a los compositores de música instrumental, electroacústica o mixta, intérpretes solistas o agrupaciones de música contemporánea, como así también a personas dedicadas al estudio de la música, particularmente especialistas en didáctica musical, a presentar obras musicales y/o trabajos de investigación en las VII Jornadas Argentinas de Música Contemporánea e Investigación que se realizarán en la Ciudad de Córdoba los primeros días de noviembre. Los trabajos podrán presentarse hasta el día 5 de septiembre de 2011. Para consultas dirigirse a: grupocorat@yahoo.com.ar Bases y condiciones: http://grupocorat.blogspot.com




b) Ibrasotope recomenda: "Hacklab Pompeia – experimentações em arte eletrônica e digital" De: ibrasotope@gmail.com O Ibrasotope recomenda o curso "Hacklab Pompeia – experimentações em arte eletrônica e digital", um curso livre voltado para estudantes, artistas, designers e curiosos interessados em experimentar e/ou desenvolver projetos que envolvam tecnologia.


O curso ocorrerá no SESC Pompéia, de 30/03 à 01/07 e está divido em dois módulos. O primeiro é voltado para técnicas básicas de eletrônica, confecção de instrumentos musicais, interfaces, sensores e noções sobre programação de hardware e software livres (Arduino*, Processing e Pure Data).


O segundo módulo é voltado à orientação e à realização de projetos e protótipos, integrando diversas ferramentas livres de hardware e software para concepção e produção coletiva de arte e tecnologia. O curso estabelece conexões entre artes visuais, música, vídeo, robótica e arte interativa. A orientação é de Radamés Ajna e Giuliano Obici.


As incriçoes abrem amanhã (24/03) e vão até sexta-feira (25/03).Mais informações em http://www.sescsp.org.br/programacaoO Ibrasotope promove concertos, oficinas, palestras, intervenções, entre outros eventos, todos relacionados à música experimental. Sua intenção é estabelecer um pólo fixo de integração entre os criadores e interessados na produção de música experimental / contemporânea, e possibilitar a divulgação do que é feito atualmente nesse sentido.www.twitter.com/ibrasotopewww.myspace.com/ibrasotopewww.ibrasotope.blogspot.comwww.flickr.com/photos/ibrasotopewww.youtube.com/ibrasotope



c) CONCURSO : 9th INTERNATIONAL COMPOSITION COMPETITION "ROMUALDO MARENCO"


A) COMPOSIZIONE PER BANDA Quota di iscrizione: 70 Euro - Premio unico 5.000 Euro


B) COMPOSIZIONE PER STRUMENTO SOLO – FLAUTO Quota di iscrizione: 40 Euro – Premio unico: 2.000 Euro Direttore Artistico: M° Maurizio Billi Scadenza: 30 Luglio 2011 INFORMAZIONI (Dott.ssa Patrizia Orsini)Tel +39 0143 76246 - Fax +39 0143 72592e-mail: concorsomarenco@comune.noviligure.al.it - http://www.comune.noviligure.al.it


9th INTERNATIONAL COMPOSITION COMPETITION “ROMUALDO MARENCO” A) COMPOSITION FOR BAND Entrance fee: 70 Euro - One Prize: 5.000 Euro


B) COMPOSITION FOR SOLO INSTRUMENT – FLUTE Entrance fee: 40 Euro - One Prize: 2000 Euro Artistic Director: M° Maurizio Billi Deadline: 30 July, 2011 I


NFORMATION (Dott.ssa Patrizia Orsini)Tel +39 0143 76246 - Fax +39 0143 72592e-mail: concorsomarenco@comune.noviligure.al.it - http://www.comune.noviligure.al.it


d) Concurso nacional de piano Inscrições abertas para concurso nacional de piano Evento em Curitiba distribuirá mais de R$ 10 mil em prêmios para os finalistas.


Estão abertas as inscrições para a nona edição do Concurso de Piano Prof. Edna Bassetti Habith, que será realizado em setembro, em Curitiba. Pianistas de todo o Brasil – estudantes ou profissionais – podem se inscrever e concorrer a prêmios que vão de R$500 a R$2.000.


O evento recebe anualmente músicos de vários estados brasileiros. São pianistas que vem à Curitiba não apenas para apresentar seu repertório, mas também trocar idéias e conhecer a atuação de músicos de outras regiões. Durante os quatro dias de audições, o que se vê na capital paranaense é um panorama do ensino e da prática do piano no Brasil. Como participar As fichas de inscrição estão disponíveis no site www.concursodepiano.com.br.


Devem ser preenchidas on-line e enviadas pelo correio até 1º de agosto. As provas serão aplicadas de 1º a 4 de setembro no Espaço Cultural Capela Santa Maria, em Curitiba. As audições de avaliação são abertas ao público, que poderá conferir uma verdadeira maratona de recitais. Os participantes apresentam – sem o auxílio de partituras – quatro obras: um movimento vivo de sonata ou sonatina clássica; uma obra do período romântico, moderno ou contemporâneo; uma composição erudita brasileira; além de uma peça de J. S. Bach especificada no regulamento concurso.


O IX Concurso de Piano Prof. Edna Bassetti Habith conta com o patrocínio da Brose do Brasil e Canet Júnior S.A. e apoio da Prefeitura Municipal de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba e Fundo Municipal de Cultura – Programa de Apoio e Incentivo à Cultura. A produção e realização do evento é feita pela Trento Comunicação Integrada e UniCultura – Universidade Livre da Cultura. Serviço IX Concurso de Piano Prof. Edna Bassetti Habith Inscrições abertas até 16 de agosto pela internet


Provas de 1º a 4 de setembro, em Curitiba www.concursodepiano.com.br


Informações: (41) 3023-2008 Assessoria de imprensa Leticia Fontanella Trento Comunicação Integrada Giordana Porrat Trento Comunicação Integrada (41) 3023-2008 ou 8859-4402 e) FESTIVAL INTERNACIONAL DE COROS DE BOM PRINCÍPIO Dias 12 e 13 de Agosto de 2011 Local: Centro de Cultura e Eventos de Bom Princípio Endereço: Parque Municipal de Bom Princípio- RS- Brasil


Contatos: Os contatos poderão ser feitos pelo fone 51 3634 1122 ou pelo email: festivalbp2011@gmail.com



f) Regra de Três - terceiro cd De: lupasantiago@hotmail.com Queridos amigos Acaba de sair o terceiro cd do meu trio, Regra de Três, o trabalho chama-se III, foi gravado ao vivo em 2010. Estará nas lojas em Maio. Estou vendendo a partir deste momento por email e nas apresentações por R$ 20,00 (este valor inclui correio). Os cds vendidos neste mês pelo email, até final de abril, terão 50% de seu valor destinados ao músico, grande compositor e pianista Mario Feres. (Vítima de cancer no fígado, Mario e sua esposa estão sem trabalhar desde dezembro e a melhor expectativa, é que ele demore a se recuperar.Nos próximos 3 ou 4 meses, eles vão precisar do nosso apoio prá conseguir cuidar das responsabilidades cotidianas e das despesas extras que o tratamento do Mario acarreta. )


Todos meus outros cds q ainda estão a venda (outros do Regra de Três e Sinequanon), seguem o mesmo procedimento durante o período. Sendo R$ 20,00 cada um.



g) Quarteto Tau apresenta show Villa-Jobim: 21 de maio, em Tatuí O Conservatório de Tatuí recebe no dia 21 de maio, um sábado, o show “Villa-Jobim”, do Quarteto Tau.


A apresentação será a partir das 20h30, no teatro “Procópio Ferreira”, com entrada franca. O show marcará o lançamento em Tatuí do CD “Tom Jobim para Violão Solo”, de Daniel Murray, dedicado integralmente a composições do maestro arranjadas por Paulo Bellinati, José Edwin Murray e pelo próprio Daniel Murray. Para a apresentação em Tatuí, o violonista recebe como convidados especiais Fábio Bartoloni, Breno Chaves e José Henrique Rosa Campos - integrantes do Quarteto Tau, ao lado de Daniel Murray.



O repertório dos shows que integram este projeto aprovado pelo edital ProAC 2010, da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, também inclui composições de Villa-Lobos, que serão executadas pelos quatro violonistas. SERVIÇO Daniel Murray, Quarteto Tau em “Villa-Jobim” 21 de maio – Sábado – 20h30 Teatro Procópio Ferreira Rua São Bento, 415 Entrada franca Ingressos podem ser retirados de terça a sexta, das 15h às 19h, ou nos dias de eventos


h) Confirmando a busca pela excelência, a Orquestra Sinfônica Heliopólis apresentou seu novo Diretor Artístico, o renomado Maestro Isaac Karabtchevsky e a temporada 2011.


As atividades completas podem ser consultadas, em: www.institutobaccarelli.org.br



i) O Maestro e Compositor Jorge Antunes (foto)está escrevendo uma nova ópera de rua e abriu um e-mail para sugestões no inusitado tema da invasão de americanos ao Brasil em 2032. Info: www.jorgeantunes.blogspot.com nova.opera.de.rua@gmail.com
MOMENTO DO VIOLÃO
O jovem violonista Yuri Marchese iniciou, em março passado, o projeto Momento do Violão, em Londrina. Com coordenação do professor Inácio Rabaioli, do Curso de Música da Universidade Estadual de Londrina, Yuri executou clássicos do violão erudito e colabora para que a música instrumental e erudita seja mais divulgada entre jovens e a população em geral. As apresentações mensais são na Sala do Pioneiro, no Museu Histórico Padre Carlos Weiss e as datas podem ser consultadas, em: www.casadeculturadauel.blogspot.com www.uel.br www.folhadelondrina.com.br www.jornaldelondrina.com.br

quarta-feira, 6 de abril de 2011

ÓPERA RIGOLETTO






GALERIE DANIEL TEMPLON


Recebo postais da Galeria Daniel Templon, que indicam 2 interessantes exposições:

Obras Recentes
Artista: Philip Pearlstein
De 26/2 a 9/4



House
Artista: James Casebere (foto)
De 26/2 a 9/4

Informações e visita à galeria virtual: www.danieltemplon.com

info@danieltemplon.com


'Alencar era mais forte que eu', diz Lula
Fonte: Agência Estado
Por Luciana Nunes Leal, Daiene Cardoso e Marcelo Portela


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou , em conversa com um grupo reservado de pessoas no velório do ex-vice-presidente José Alencar, sobre sua admiração ao amigo. "Ele foi mais que um vice. Ele era mais forte que eu", disse. Lula e a presidente Dilma Rousseff passaram os últimos minutos da cerimônia realizada em Belo Horizonte junto com a família de Alencar em uma sala reservada no Palácio da Liberdade, no centro de Belo Horizonte. Às 12h50, o comboio da presidente Dilma deixou a antiga sede do governo mineiro em direção à Base Aérea da Pampulha.


O cerimonial do governo de Minas Gerais abriu, às 11h06, a visitação pública para o velório de Alencar no Palácio da Liberdade. O corpo do ex-vice-presidente chegou às 10h30 ao local. Na chegada do cortejo fúnebre, o corpo foi recebido com honras militares e aplaudido pelo público presente na Praça da Liberdade e por amigos e parentes que o aguardavam no local.

No início da tarde, o arcebispo metropolitano da capital mineira, dom Walmor Oliveira de Azevedo, realizou uma missa de corpo presente no Palácio da Liberdade. Além de parentes e amigos, assistiram à cerimônia a presidente Dilma e o ex-presidente Lula, posicionados um de cada lado do caixão.

POEMA " RÉQUIEM PARA O JAPÃO", DE ALDO MORAES REPERCUTE


O poema, publicado em primeira mão neste blog e que recebeu atenção de diversos jornais e revistas no Brasil e no exterior, continua repercutindo como uma mensagem de esperança e fé ao povo japonês.

“ Meu sincero agradecimento pelas carinhosas palavras de solidariedade, contidas no poema Réquiem para o Japão, diante do forte terremoto e tsunami que assolaram o nordeste do Japão” Akira Miwa, Embaixador do Japão no Brasil, 25/03/2011


" Aldo Moraes, como poeta me comovi - e muito - com o Réquiem para o Japão. Você é realmente um espírito iluminado. Um abraço afetuoso" Poeta Arita Damasceno Pettená, 18/03/2011


" Aldo Moraes, agradeço o envio das edições do Informativo literário Arte Brasil, que tenho distribuído em toda a América Latina"

Escritor Orlando Nelson Pacheco Acuña, Chile, 7 de março de 2011